Minha história: um pouco sobre mim e como eu cheguei até aqui

Tempo de leitura: 9 minutos

Olá, quero contar um pouco da minha história para que você entenda o porquê de estarmos aqui hoje juntos. Meu nome é Raquel Andrade, sou casada e sou mãe de 3 filhos lindos que amo tanto.

Trabalho desde os 13 anos de idade, não por vontade própria, mas sim por necessidade, já que perdi minha mãe quando eu ainda tinha 1 ano e 9 meses de idade e nesse meio tempo até a idade adulta morei com muita gente, digo familiares, uns legais outros nem tanto assim, mas no fundo tenho que agradecer a todas essas pessoas.

Porque a vida é assim, e a gente não pode mudar o nosso passado não é mesmo? O máximo que a gente pode fazer é mudar o nosso presente e o nosso futuro.

Confesso que nesta jornada o que não me faltaram foram lutas e obstáculos os quais eu fui ultrapassando um por um, dia após dia, ano após ano, mas meu Deus, como tiveram dias que pareciam ser infindáveis.

E na minha história, assim como tudo na vida, esses dias e anos nebulosos também passaram, e com a minha luta, garra e esforço, eu consegui ir adiante trabalhar e estudar, esse era meu FOCO.

 

Entenda como eu mudei a minha história

Mas eu quero que saiba que quando digo luta, foi uma luta mesmo, já que me lembro de ter noites de eu chegar em casa – nessa época eu já morava sozinha – após um dia longo de trabalho e estudos e tudo que tinha na geladeira para eu consumir era uma única garrafa d’água.

Nossa já faz tempo isso, mas mesmo agora escrevendo sobre essa passado, as lágrimas involuntariamente escorrem por meu rosto, eu me lembro daquele sentimento de solidão, de isolamento, que era tão grande e profundo que nem mesmo o tempo consegue apagar.

Bom mas hoje graças a Deus, essa história faz parte de um tempo muito distante.

Como eu estava falando eu me formei e fiz vários cursos, entre eles de Coach, e pude trabalhar em grandes empresas multinacionais como a Ciba Geigy, a Novartis e depois disso passei para o mercado de bancos.

Há 15 anos iniciei no banco na parte operacional como operadora de caixa, após um ano fui para a área comercial – e meu Deus como eu amava a área comercial – bom passei por todos os cargos, desde agente comercial, assistente de gerente, gerente de contas até gerente de empresas, e com exatos 5 anos de banco me tornei Gerente Geral de Agência, e assim fiquei nesse cargo por mais 10 anos.

Durante a minha história eu realmente sempre me dediquei muito aos meus trabalhos, aquela era a minha vida, ali eu consegui alcançar meus objetivos, consegui me realizar profissionalmente e fiz diversos novos amigos.

Mas é claro que como só quem trabalha em banco tem a noção exata do que é estar ali dentro, como é a cobrança diária, de como é trabalhar sobre pressão, trabalhar com ameaças, não ter tempo para respirar, para comer, para ir ao banheiro e nem mesmo para beber um copo d’água.

Quem já teve o desprazer de passar por assaltos á banco, sabe o quanto é difícil superar as cenas, levantar no dia seguinte e ter que encarar tudo como se nada tivesse acontecido, é simplesmente terrível. Certa vez eu presenciei um assalto no banco que tiveram nada mais nada menos que 16 ladrões dentro da agência, e adivinha quem que colocou os clientes para sentar, deu água para os que estavam passando mal, atendeu o telefone para dizer que estávamos com problemas de sistema com uma arma apontada para cabeça? Euzinha …… não gosto nem de lembrar da cena, mas são coisas da vida que a gente passa e não tem como esquecer, só o tempo para amenizar, mas fazia parte do negócio, eu não tinha como fugir de situações como essa. Era assustador mas era a minha realidade.

Mas entenda que eu não estou reclamando, quero apenas dizer que isso em um determinado  tempo da  minha  vida  foi  muito bom,  “claro que desconsiderando os assaltos, risos”,  realmente fazia parte do meu contexto, era normal para mim até que tudo mudou.

A mudança de minha história com a chegada dos meus pequenos

Foi nessa época que os meus filhotes chegaram, bom ai se você é mãe, você vai entender perfeitamente o que eu quero dizer, imagina aquela rotina que eu descrevi ali em cima, mas agora que incluía também filhos, marido, casa, empregada, escola e mais um pouco de tudo.

Mas mesmo com essa loucura nova e gostosa eu consegui encarar a vida de banco por mais alguns anos, veio o primeiro filho e eu estava lá, o segundo e eu continuei firme e forte, e um pouco louca também (risos).

Até que veio o terceiro, e após um ano que a minha terceira filha tinha nascido eu nem preciso falar como eu estava (risos). Tudo aquilo da minha vida e minha história era demais para conciliar, e muitas vezes parecia que eu iria enlouquecer.

Bom o fato é que eu já estava cansada de deixar meus filhos e ter que sair para trabalhar, afinal de contas eu não tinha ninguém a não ser as minhas secretárias queridas que estavam me ajudando mais do que podiam, e minha irmã Patricia que na época também tinha os filhos pequenos.

E é aqui que eu cito a Nalva, a Selma, e a Alcione, e quero agradecer imensamente por vocês terem feito parte da minha vida, o tanto que me ajudaram e como eu sou agradecida por isso todos os dias da minha vida.

Mesmo assim, deixar meus filhos todos os dias e ter que sair para trabalhar, me consumia demais, até pelo fato de eu não ter tido uma mãe, ver meus filhos crescendo sem a minha presença, me entristecia de uma maneira que eu já não suportava mais.

Mudando a minha história e deixando toda essa vida para trás

Foi quando eu resolvi largar o banco e assumir as rédeas da minha família e nos primeiros dois anos foi maravilhoso, foi como um sonho de fada, eu realmente estava precisando daqueles momentos, afinal eu nunca havia tido isto antes, nem família e muito menos tempo com os meus filhos.

Mas mesmo depois dessas mudança da minha história, mais ou menos de um ano para cá, eu comecei a me sentir incomodada, extremamente incomodada, por que afinal de contas eu sempre trabalhei.

Não somente pelo dinheiro, mas digo isso também pelo fato de me sentir produtiva, de sentir que  estou interagindo com as pessoas, que de alguma forma eu posso ajudar e ser ajudada.

Sabe quando você para, e se pergunta “o que é que eu estou fazendo da minha vida?

Ficar em casa só cuidando de filhos realmente não é a minha onda, não me leve a mal, eu sabia que queria estar ali com eles, mas também sabia que queria fazer alguma coisa por mim e para mim.

Alguma coisa que eu gostasse de verdade, que me deixasse realizada, e foi ai que eu pensei “Não me permito continuar deste jeito, reclamando e achando que a vida acabou que não sou mais capaz de realizar nada, que não vou dar conta de ter um negócio e cuidar da minha família.” Reclamar da vida não é algo que faça parte do meu perfil, mas ali estava eu, agoniada, nervosa e as vezes até descontando nos meus filhos, aí que dó.

Nessa época eu também havia me mudado de país, o que  piorava a sensação de vazio. Eu não conseguia ver uma luz no fim do túnel, porque pensava se Eu estivesse no meu país eu faria isto ou aquilo, mas aqui, onde eu sou estrangeira e ninguém me conhece, meus filhos precisam de mim mais do que nunca.

Todas essas neuras que invadiam minha cabeça, porque de certa forma eu estava permitindo, me faziam muito mal, e era hora de mudar a minha história de novo, e foi ai que eu tive a idéia de sentar em frente ao meu computador e começar a pesquisar.

Fui pesquisando e estudando, fazendo muitos cursos, “Pai do Céu com eu fiz e estou fazendo muitos cursos”, foi quando finalmente eu encontrei o Empreendedorismo Digital, um mundo relativamente novo para mim e para muitas pessoas das quais eu convivo.

Hoje eu estou muito feliz, renovada, com várias possibidades na cabeça, porque eu realmente acredito neste negócio, mesmo que arduamente eu ainda esteja desbravando, eu realmente encontrei algo que estou amando fazer.

Sabe quando uma criança ganha um brinquedo novo?

Então este é o meu sentimento hoje. Certo dia eu estava tão feliz, batendo palma, beijando e abrançando o notebook, só porque eu havia conseguido fazer uma simples alteração no layout do meu blog (risos) estava feliz da vida. Sim eu iniciei no empreendedorismo digital do mais absoluto zero.

Bom resumindo estava lá dando risada sozinha, minha filha olha para mim e pergunta?

– Ohhh mãe você está feliz assim porque?  Você foi contratada pelo Google?

hahaha, só de lembrar da cena dou risada, sozinha.

Se eu pudesse resumir toda essa história em uma única palavra, essa palavra seria GRATIDÃO.

Estou feliz por compartilhar a minha história e toda essas buscas e mudanças constantes em minha vida.

Para finalizar a minha história

E foi nesta busca incessante que eu me deparei com esta frase do Carlos Drummond de Andrade, a qual eu me identifico muito seja desde o começo da minha história, e também hoje em dia, e que agora quero deixá-la aqui para que você possa refletir.

“A DOR É INEVITÁVEL, MAS O SOFRIMENTO É OPCIONAL”

Agradeço por você estar aqui comigo, ter lido toda a minha história. E mais importante fazer parte desse momento tão único e especial na minha vida.

PS:  Deixe me saber o que achou deste conteúdo, deixando seus comentários aqui embaixo, que eu vou responder pessoalmente um por um.

Abraços e até mais.

Summary
Review Date
Reviewed Item
Minha História
Author Rating
51star1star1star1star1star

6 Comentários


  1. Amiga , que história linda, confesso que sabia um pouco , mas não tudo, estou com saudades e torcendo por vc e pela sua realização pessoal e sucesso .🙏🏼😘


  2. Raquel sua história é linda e vá em frente, pode ser mãe e mais o que vc quiser! bjos


    1. Tatiane Chadid, é verdade podemos ser o que quisermos ser. Sem sonhos a vida não tem brilho. beijos e muito obrigada pela sua visita. Volte sempre!


  3. Raquel, você se supera a cada dia. Que fortaleza! Mulher guerreira e poderosa só pode conquistar o mundo. Sorte sempre!🍀🍀🍀 Grande beijo com votos de sucesso. 😘😘

    Ro e Lu


    1. Ro e Lu, que lindas palavras, agradecida, agradecida por estarem aqui comigo. Gratidão sempre, boa sorte para vocês também. Beijos

Comentários encerrados.